Frio em alentejano

Num dia frio de inverno em pleno Alentejo, o Joaquim chega à loja do Manuel e diz:
– Bom dia, Maneli, quero uma dessas bolsas de borracha onde se deita água quente e que serve para aqueceri a cama e manter os pés quentinhos.
– Que azari, Jaquim, hoje de manhãe vendi a última à Ti’ Maria.
– E o que é que eu faço com este frio do diabo que faz à nôte?
– Fica tranquilo, eu empresto-te o mê gato.
– O tê gato?
– Sim, o mê gato é gordinho, e tu podes colocari nos pés na hora de deitari, e vais veri como ele te vai aqueceri a nôte toda. Na próxima terça-fêra chegam os sacos de água quente, vens comprar um e devolves-me o gato.
– Tá bem. Obrigado.
Joaquim leva o gato e vai para casa.
No dia seguinte, volta com a cara toda arranhada pelo gato.
– Manel, vim devolver-te o c….o do gato! Olha como é que ele me deixou, o filho da p….@!
– Mas como? O que é que aconteceu? Ele é tão manso!
– Manso, uma porra! O funil no cú, ele aguentou bem, mas quando comecei a deitar-lhe a água quente, ele ficou uma fera e arranhou-me todo, o c@br@o!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *